A peça do mês de maio foi…

  O Pião

O pião foi um dos jogos tradicionais infantis mais populares de sempre do século passado. Simples e barato de se adquirir, era usado nos pátios das escolas por quase todas as crianças.
O movimento do pião resulta de um cordel (baraça ou guita) enrolado à sua volta. O cordel segura-se com a mão por uma das extremidades o qual se desenrola quando atiramos o pião ao chão puxando o cordel no sentido contrário.
Através da sua história o seu uso oscilou entre um simples jogo infantil e uma peça mística ligada a rituais de premonição e leitura de presságios, onde associavam a sua rotação à dos astros.
Conhece-se a existência do pião desde o ano 4000 a.C. tendo sido descobertos na margem do rio Eufrates vestígios desse objeto, feito em argila.
Igualmente se confirma a sua utilização através de pinturas antigas e de certos textos que já o identificam, como os do político e historiador romano Marco Porcio Catón e até mesmo na Eneida de Virgílio, no séc. I a.C..
O exemplar que é considerado como o mais antigo do mundo, data de 1250 a.C. e está em exposição no Museu Britânico.
Curiosamente, várias figuras de relevo da antiguidade estão de algum modo relacionadas com o pião. Enquanto o dramaturgo grego Aristófanes se declarava obcecado pelo objeto, já o filósofo Platão usava-o como metáfora para o movimento.
Poetas romanos como Ovídio e Aulus Persius Flaccus, inseriam-no nos seus poemas tendo Persius afirmado que em criança ligava mais ao pião do que aos estudos.
Se é verdade que os gregos e romanos usavam-no essencialmente como brinquedo, também há que realçar que foram as culturas orientais do Japão e da China que o introduziram no ocidente. No Japão os adultos e as crianças japoneses jogavam intensamente o pião convertendo-o mesmo numa arte com direito a espetáculos com exímios exercícios de equilíbrio nas palmas das mãos e em certas superfícies.
Acabando por estar representado na infância de quase todos os países do mundo, foi um dos jogos mais populares até final da década de 70.
Atualmente e apesar da tentativa de criar modelos mais práticos e atrativos, a sua utilização pelas crianças quase que desapareceu nos países mais desenvolvidos.
Tal como outras brincadeiras clássicas, o pião perdeu visibilidade e adeptos com o aparecimento dos novos brinquedos das gerações modernas e com o advento das consolas de jogos portáteis.
Este pião faz parte do espólio da Casa-Museu Regional de Oliveira de Azeméis.


Informações retiradas de: http://origemdascoisas.com/a-origem-do-piao/